Três em três. Miguel Oliveira venceu o GP de Valência em Moto2 com o piloto português a ganhar as três últimas provas do Mundial que terminou neste domingo.

Depois dos triunfos na Austrália e na Malásia em que liderou as corridas do princípio ao fim, Miguel Oliveira deu uma demonstração de categoria ao ir buscar o triunfo – nada mais, nada menos – ao novo campeão do mundo: Franco Morbidelli.

A história da Corrida que fechou a época é curta: é a história do triunfo em português que começou do quarto lugar da grelha de partida.

Miguel Oliveira saiu bem, mas Mattia Pasini conseguiu recuperar o terceiro lugar, antes de cair mais à frente, e deixar então o português na perseguição às duas motos da Marc VDS – depois de Morbidelli ter também ganho a liderança ao homem da pole-position: Álex Márquez.

As KTM preparavam-se para uma mais grande corrida e foi uma questão de poucas voltas até Miguel Oliveira passa o espanhol. Depois de uma primeira tentativa que mereceru resposta de Márquez á nona volta, o português saltou mesmo para a segunda perseguição ao líder Morbidelli à décima.

A distância encurtou, Oliveira colou-se ao campeão do mundo – com Brad Binder já também em lugar de pódio. A seis voltas do final das 27, o «falcão» português atacou e atacou para ganhar conquistando o comando de forma categórica o já detentor do título – que mais não pôde fazer do que conformar-se com o segundo lugar...

Miguel Oliveira fechou a época da melhor maneira possível com vitórias nas últimas três provas da época vincando a sua candidatura à vitória no Moto2 no próximo ano, com a KTM também a ter seis pódios nas últimas três corridas.

O piloto português da KTM Ajo acabou por conseguir nove pódios ao longo desta época e duas pole-positions terminando no terceiro lugar do Mundial – a dois pontos do segundo posto.

Pódio do GP de Valência de Moto2:

1. Miguel Oliveira

2. Franco Morbidelli

3. Brad Binder

Pódio do Mundial de Moto2:

1. Franco Morbidelli, 308 pontos

2. Thomas Lutho, 243

3. Miguel Oliveira, 241

Miguel Oliveira: “Foi surreal, não tenho palavras”