A Dinamarca pode receber em 2020 um Grande Prémio de Fórmula 1 pela primeira vez na história da competição. A garantia é dada por um consórcio formado por Helge Sander, antigo ministro dinamarquês da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento, e Lars Seier Christensen, antigo dono do Saxo Bank.

Os dois empresários reuniram-se em Singapura com Chase Carey, presidente da Fórmula 1, e Sean Bratches, diretor comercial, para discutir a possibilidade de Copenhaga receber uma prova do campeonato em 2020.

"Tivemos algumas reuniões bastante positivas com a Formula One Management e tenho a sensação de que iriam ficar encantados por ter um Grande Prémio em Copenhaga", revelou Sander à Motorsport.com.

Para desenhar o trajeto da prova na capital dinamarquesa, Hermann Tilke, arquiteto responsável por essa tarefa, contou com a ajuda de Jan Magnussen, pai do piloto Kevin Magnussen. A ida de um Grande Prémio para Copenhaga seria, aliás, uma boa notícia para não só para Magnussen, mas também para os restantes corredores nórdicos.

"Não teríamos qualquer problema em vender bilhetes para um Grande Prémio em Copenhaga. Há quatro pilotos nórdicos na Fórmula 1: Magnussen, Ericsson, Räikkönen e Bottas. Hoje em dia, os fãs têm de ir à Bélgica ou à Alemanha para os ver correr. Para os países nórdicos e para o norte da Alemanha, Copenhaga seria o circuito local de F1. Mas vamos precisar de investidores públicos e privados para um projeto desta magnitude", acrescentou Christensen.