O regresso do icónico F1 faz parte de uma ofensiva de 15 modelos da McLaren para os próximos seis anos. Do plano, denominado “Track22”, faz parte os sucessores dos atuais modelos, que continuarão divididos em três famílias: Sports, Super e Ultimate Series.

O primeiro a chegar tem o nome de código P14, e trata-se de uma gama mais focada para pista, que substituirá de uma assentada os 570S Spider, 650S e 675LT. Da Ultimate Series fará parte o novo F1 e um superdesportivo elétrico.

O sucessor espiritual do F1, que marcou a década de 90, está previsto para 2018 e promete ser um “híper GT” de três lugares (1+2).

“Utilizará a configuração de três lugares do F1 e uma filosofia ligeiramente diferente: rápido com estilo e um interior refinado”, adiantou fonte da McLaren à britânica Autocar.

“O resultado será o mais luxuoso McLaren de estrada alguma vez feito”, acrescentou, justificando a afirmação de “híper GT”.

O novo modelo, para já conhecido pelo nome de código BP23, estará equipado com uma versão atualizada do motor V8 3.8 biturbo, a debitar mais de 700 cv, e a custar na ordem dos 2,37 milhões de euros. A produção deverá ser limitada a 64 unidades, tantos quanto os F1 produzidos.

Também nos motores haverá novidades, com a introdução de um nova família de motores, nomeadamente um híbrido V6 que surgirá no final da década, após o lançamento do P14.

O P1 também terá sucessor, que será feito com base na nova geração da tecnologia utilizada no modelo atual, mas aplicada à base do P14.