A venda de carros online é apenas mais um dos campos em que a Amazon quer entrar, depois de ter comprado a cadeia de mercearias Whole Foods, nos Estados Unidos.

A confirmação veio do chefe do departamento de investigação da Amazon, Cooper Smith, que admitiu a criação destes concessionários irá permitir à empresa aumentar de forma exponencial a sua presença na indústria automóvel: "A ideia é tentadora e podia fazer sentido. A fronteira entre as lojas físicas e online vão-se esbatendo aos poucos."

Esta não é, no entanto, uma novidade para a Amazon, que já vende modelos da Seat e Fiat em França e Itália. Esta expansão seria um processo lento, mas que já tem pernas para andar.

A empresa de vendas online já criou um centro de apoio para compradores de carros nos Estados Unidos em 2016 e, se as marcas alinharem nesta inciativa, a necessidade de lojas físicas acaba por perder-se, com a consequente redução nos custos.