O Grupo PSA vai extinguir 400 postos de trabalho na fábrica da Vauxhall em Ellesmere Port, no Reino Unido, até final do ano.

A notícia da agência Reuters adianta como justificação a melhoria da competitividade da unidade de produção em causa.

“Enfrentando as desafiantes condições de um mercado europeu e um mercado de veículos de passageiros em declínio, a Vauxhall precisa de ajustar os volumes de produção na unidade de Ellesmere Port para o nível atual de procura e de melhorar o seu desempenho, no sentido de acautelar o seu futuro”, afirmou à Reuters um porta-voz da PSA.

O grupo liderado pelo português Carlos Tavares adquiriu à General Motors, no mês de agosto, a Opel e a Vauxhall. Detendo a Peugeot, Citroën e DS, a PSA ultrapassou a Renault como segundo maior fabricante europeu de automóveis no que respeita a vendas.

A Reuters adianta que os 400 postos de trabalho a serem extintos são um quarto do total da fábrica em questão e que as saídas dos trabalhadores serão consumadas através de um plano de rescisões voluntárias a ser discutido com os seus representantes durante um período de 45 dias.

Segundo acrescenta a Reuters, o porta-voz da PSA assumiu o compromisso na continuidade do Opel Astra na fábrica de Ellesmere Port, mesmo tendo salientado que os custos são “significativamente maiores” que a bitola do grupo em França.

Em setembro, Carlos Tavares já tinha considerado as fábricas da PSA “mais eficientes” do que as da Opel.

A Reuters recorda também que o diretor executivo português que o grupo estava com dificuldades para decidir a estratégia para a Vauxhall devido às interrogações à volta da saída do Reino Unido da União Europeia.