James Glickenhaus é diretor, produtor e argumentista de filmes como “O Exterminador”, com Robert Ginty, ou “O Protetor”, com Jackie Chan. É também dono de uma fortuna considerável e de uma enorme paixão por automóveis, que o levou mesmo à criação de uma marca de carros superdesportivos, a Scuderia Cameron Glickenhaus (daí o SCG).

Tudo começou na competição, com o SCG 003C, que surgiu em 2011, e com o qual participa regularmente nas provas do campeonato “VLN Endurance Championship”. A prova integra, entre outras, as 24 Horas de Nürburgring, na Alemanha.

O passo seguinte foi agora dado, através do lançamento da versão de estrada do bólide de competição, o SCG 003S, cuja produção é assegurada pela italiana Manifattura Automobili Torino.

Serão produzidas apenas 3 unidades, cada uma por 1,8 milhões de euros, antes de impostos. O problema é que o projeto exigiu um investimento inicial de 20 milhões de euros – o que obrigaria a um preço superior a 6 milhões por unidade para garantir o retorno ao investimento –, o que significa que Glickenhaus vai perder cerca de 4,2 milhões de euros por cada 003S que venda.

De qualquer forma, o americano admite que o projeto não é para fazer dinheiro rápido, defendendo que lhe interessa criar uma marca e deixar um legado para os seus herdeiros.

O SCG 003S apresenta números de respeito, a começar pelos 1.360 kg de peso ou os 810cv extraídos de um V8 com 4,4 litros alimentado por dois turbocompressores, o que lhe permite uma velocidade máxima de 349 km/h e menos de 3 segundos para ir de 0 a 100 km/h.

Antes das entregas, o SGC 003S tem já definido um ambicioso objetivo: tornar-se o mais rápido automóvel de estrada a completar uma volta ao ‘Inferno Verde’. O tempo a realizar é de 6 minutos e 30 segundos, menos 20 segundos que o atual recorde, do Lamborghini Huracán Performante.