Todos azuis, tal como as cores o clube inglês, e todos alinhados às portas do estádio. Vichai Srivaddhanaprabha, proprietário do Leicester, ofereceu um BMW i8 a cada um dos jogadores do clube, uma espécie de prenda pelo inédito título de campeões na Premier League.

Ao todo, 19 exemplares do BMW i8 foram estacionados no exterior do estádio, cada um no valor de 118 mil euros em Inglaterra. Em Portugal, o desportivo híbrido custa mais de 142 mil euros.

De fora ficaram quatro jogadores: Joe Dodoo, Andrej Kramaric, Yohan Benalouane e N’Golo Kante. Este último mudou-se para o Chelsea, enquanto Dodoo, Kramaric e Benalouane praticamente não foram utilizados na época passada. Aliás, Benalouane foi emprestado, em janeiro, à Fiorentina.

Contas feitas, o proprietário do clube inglês desembolsou mais de 2,2 milhões de euros em BMW i8, depois de já ter oferecido dezenas de Mercedes-Benz Classe B Electric Drive logo após a temporada.

“Só há presentes para os jogadores? E para mim? Tenho de falar com o dono”, brincou o treinador Claudio Ranieri, durante a conferência de imprensa de antevisão do jogo da Supertaça, diante do Manchester United de José Mourinho.

O BMW i8 é um desportivo híbrido que combina um motor a gasolina de três cilindros e 1,5 litros com um propulsor elétrico para debitar 361cv e 570 Nm de binário. É capaz de acelerar dos 0 aos 100 km/h em 4,4 segundos com um consumo médio de apenas 2,1 litros aos cem nos primeiros 100 km.

Isto é possível porque o i8 tem capacidade para circular em modo cem por cento elétrico por até 35 km. A velocidade máxima, como em todos os BMW, está limitada a 250 km/h.