O vice-presidente brasileiro Michel Temer disse esta terça-feira, em Lisboa, que Portugal é um exemplo para os brasileiros no que se refere aos ajustes na economia diante de um quadro de recessão e dificuldades financeiras mundiais.

«Evidentemente que (Portugal) serve de exemplo para todos nós. Até porque, eu reitero, foram ajustes (na economia) que deram certo», declarou à Lusa Michel Temer.

Michel Temer conversou com a agência Lusa à margem da visita oficial de dois dias a Portugal, onde se encontrou com autoridades portuguesas e manteve contacto com outros setores do país, nomeadamente o empresarial.

«Exatamente em função destes ajustamentos a economia está voltando a crescer, não só em Portugal mas em outros países da Europa. Então, serve como referência, digamos, para aquilo que estamos fazendo no nosso país», disse.

«O mesmo ajuste fiscal estamos a fazer agora no Brasil para produzir resultados positivos. Não significa que nós iremos fazer um ajuste radical. Nós vamos fazer um pequeno ajustamento, uma reprogramação da economia para que nós possamos continuar crescendo», afirmou.

«Eu tratei de vários assuntos em Portugal, entre estes, naturalmente a questão dos portos. Aliás, acompanhou-me o ministro Edinho Araújo, que o ministro dos Portos», assinalou o vice-Presidente.

Segundo Temer, uma das intenções da sua viagem a Portugal foi de «fazer associações de empresários portugueses com empresários brasileiros, já que nós fizemos uma profunda alteração nas leis dos portos, tendo em vista que hoje é possível a existência de muitos privados, exclusivamente privados. No passado, isso só era possível por meio de concessões do poder público».

«No instante que abrimos isto para a iniciativa privada, o natural é que não só investidores possam se interessar, mas eventualmente investidores portugueses», salientou Temer, para quem «Portugal tem uma boa estrutura portuária», explicando que o ministro dos Portos depois voltará a Portugal para conhecer melhor a estrutura portuária.

«O meu incentivo, a minha palavra de entusiasmo foi no sentido de que nós possamos ter investimentos nesta área também no Brasil, por meio de investimentos portugueses», avaliou.

Sobre a atuação dos dois países no âmbito das organizações internacionais, Temer considera que poderiam trabalhar de forma mais próxima.

«Aliás, tem acontecido isso ao longo do tempo, especialmente na ONU, Brasil e Portugal sempre caminham juntos», referiu.

«Muito recentemente, coisa de dois anos, quando nós lançamos a candidatura do diplomata Roberto Azevêdo para (diretor-geral) a Organização Mundial do Comércio (OMC), Portugal fez um trabalho que não só de apoio à candidatura, mas fez um trabalho de apoio militante ou seja, aqui em Portugal se estabeleceu uma espécie de escritório de apoio à candidatura Roberto Azevêdo (que foi eleito em 2013) que foi muito útil para nós», indicou.

«Eu dou este exemplo concreto para evidenciar como Brasil e Portugal tem trabalhado juntos em muitos momentos», sublinhou.