A Mercedes revelou nesta quarta-feira a terceira geração do CLS, modelo que será apresentado oficialmente no Salão de Los Angeles que abre portas ao público na próxima sexta-feira.

O novo CLS chega renovado no design das formas de coupé de quatro portas. Mas, mais do que as grandes entadas de ar à frente sob faróis de contornos triangulares, que também se encontram na traseira do novo conceito Mercedes, são os motores que refletem melhor o conceito de «novidade».

A gama de motores “completamente novos” do CLS é introduzida hoje com as três versões de 3.0 litros de seis cilindros em linha que equiparão os modelos a lançar no mercado em março do próximo ano: 350 d 4MATIC; 400 d 4MATIC; e 450 4MATIC.

As versões diesel 350 e 400 d disponibilizarão potências de 286 cv e 340 cv e binários máximos de 600 Nm e 700 Nm, respetivamente, anunciando as também respetivas acelerações dos 0 aos 100 km/h de 5.7 segundos e 5 segundos.

O 450 4MATIC a gasolina é a versão mais potente e mais rápida com uma aceleração dos 0 aos 100 km/h em 4.8s. Com 367 cv de potência e um binário máximo de 500 Nm, o CLS a gasolina tem integrado o gerador de energia EQ Boost que acrescenta durante períodos curtos mais 16 kW/22 cv e potência e 250 Nm de binário.

Este motor elétrico assistente do motor permite acelerar sem recorrer ao motor de combustão alimentando a bateria por um processo de recuperação de energia – poupando combustível como se de tecnologia híbrida se tratasse – destacando a Mercedes que “o novo motor de seis cilindros dá um desempenho de um oito cilindros com consumos significativamente mais baixos”.