O índice PSI 20 afundou 2,07% e fechou nos mínimos desde 8 de março, seguindo a tendência negativa europeia. As bolsas europeias perderam entre os 3% de Milão, os 2,5% de Frankfurt e os 2,18% de Paris, penalizadas por dados macroeconómicos que dão sinais de abrandamento das principais economias do euro.

As encomendas à industria alemã tiveram, em fevereiro, a maior descida dos últimos seis meses, pressionadas por um tombo de 2,7% na procura internacional,  a actividade no sector privado em França estagnou em março e,  na zona euro, o crescimento empresarial ficou praticamente em linha com os mínimos de 13 meses registado em Fevereiro.

Em Lisboa, a maior queda pertenceu à Mota-Engil, 4,659%, penalizada pela queda de 62% dos lucros em 2015, apesar do aumento de 3% das receitas.  

Forte queda também para os títulos do BCP, 3,38%, com a falta de novidades sbore o setor bancário, designadamente as relacionadas com as negociações entre os dois maiores acionistas do BPI, que podem vir a ter efeitos no Millennium. O banco liderado por Fernando Ulrich recuou 1,041%.

As energéticas EDP e Galp Energia, com quedas de 3,24% e 2,85%, respectivamente, em sintonia com as pares europeias, foram os títulos que mais contribuiram para a queda do índice.