A descida do preço do petróleo «causa constrangimentos ao crescimento, mas é uma excelente oportunidade para implementar a estratégia de diversificação da economia» em Angola, considerou esta segunda-feira em Lisboa o representante comercial da embaixada angolana em Portugal, noticia a Lusa.

Amadeu Leitão, que intervinha no painel inicial de uma conferência da Associação Industrial Portuguesa (AIP), admitiu que o país é «fortemente dependente dos recursos gerados pelo petróleo» e que «o final de 2014 não foi um final feliz para Angola, tal como não foi para outros países exportadores de petróleo», mas sublinhou que «o Governo tem consciência das graves consequências da quebra dos preços do petróleo».

Esta consciência, continuou, levou o Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, a «tomar a peito o desafio, apresentando ações tendentes a minimizar os efeitos», que são não apenas económicos, mas também sociais.

Entre as ações enunciadas pelo responsável angolano em Lisboa estão «a diversificação da economia e desenvolvimento dos setores potenciais da indústria transformadora, a energia, pescas, turismo e formação técnico-profissional inserida na política nacional de desenvolvimento e redução do desemprego e valorização dos recursos humanos».

Suplantar os efeitos negativos da descida do preço do petróleo implica, concluiu, «maior coesão nacional e uma resposta mais inteligente».

A conferência da AIP, que decorre esta tarde em Lisboa, tem como tema «Internacionalização - Mercados e Financiamento».

Esta segunda-feira, o Brent do Mar do Norte seguia a descer 1,79% para 49,27 dólares e o crude em Nova Iorque recuava 1,91% para 47,76 dólares.