Chegou o novo rival do Facebook

Nova ferramenta do Google já entrou no ringue das redes sociais. Dentro de uma semana vai estar disponível para todos os utilizadores

Por: Redação    |   10 de Fevereiro de 2010 às 11:27
Acabaram os rumores. O Google já chegou às redes sociais, depois de ter anunciado ontem o lançamento oficial do Google Buzz, uma ferramenta integrada no serviço de correio electrónico do Gmail, com funcionalidades idênticas às do gigante Facebook, actualmente com 400 milhões de aderentes.

A partir de agora, os utilizadores do Gmail vão poder publicar online comentários, partilhar vídeos, fotografias ou ligações a sítios da Internet, recursos em tudo semelhantes às funções do Facebook, Hi5 ou Twiter, redes sociais de grande sucesso no meio digital.

Em São Francisco, o responsável pelo Gmail e pelo Google Buzz, Todd Jackson, definiu a nova ferramenta como «uma forma de iniciar conversações sobre as coisas consideradas interessantes», avança a agência espanhola EFE.

A grande vantagem do mais recente serviço do Google reside no facto de estar «integrado dentro do Gmail, pelo que não é preciso voltar a criar um grupo de amigos ou contactos», explicou Jackson. O responsável pelo Gmail acrescentou que o Google Buzz também vai disponibilizar uma aplicação para telemóveis.

Além disso, a nova ferramenta do Google permite, ao contrário de outras redes sociais, convidar cibernautas que não sejam utilizadores do Gmail, embora esta medida possa sofrer alterações no futuro.

Espera-se que, dentro de uma semana, todos os utilizadores do Gmail possam ter acesso ao novo serviço.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Google Buzz
Google Buzz

COMENTÁRIOS

PUB
Governo grego diz que não procura «inimigos externos»

Fontes governamentais gregas salientaram que Tsipras, no seu discurso, apenas quis explicar com detalhe ao povo grego a «negociação dura de um Eurogrupo decisivo que acabou em acordo». Este domingo, os governos português e espanhol reagiram às declarações de Alexis Tsipras de que Portugal e Espanha formaram «eixo» anti-grego que tentou «derrubar o governo do Syriza» e fazer fracassar as negociações com o Eurogrupo sobre a dívida grega. Bruxelas já afirmou estar «a par do descontentamento» ibérico, mas prefere não fazer comentários