Chegou o novo rival do Facebook

Nova ferramenta do Google já entrou no ringue das redes sociais. Dentro de uma semana vai estar disponível para todos os utilizadores

Por: Redação    |   10 de Fevereiro de 2010 às 11:27
Acabaram os rumores. O Google já chegou às redes sociais, depois de ter anunciado ontem o lançamento oficial do Google Buzz, uma ferramenta integrada no serviço de correio electrónico do Gmail, com funcionalidades idênticas às do gigante Facebook, actualmente com 400 milhões de aderentes.

A partir de agora, os utilizadores do Gmail vão poder publicar online comentários, partilhar vídeos, fotografias ou ligações a sítios da Internet, recursos em tudo semelhantes às funções do Facebook, Hi5 ou Twiter, redes sociais de grande sucesso no meio digital.

Em São Francisco, o responsável pelo Gmail e pelo Google Buzz, Todd Jackson, definiu a nova ferramenta como «uma forma de iniciar conversações sobre as coisas consideradas interessantes», avança a agência espanhola EFE.

A grande vantagem do mais recente serviço do Google reside no facto de estar «integrado dentro do Gmail, pelo que não é preciso voltar a criar um grupo de amigos ou contactos», explicou Jackson. O responsável pelo Gmail acrescentou que o Google Buzz também vai disponibilizar uma aplicação para telemóveis.

Além disso, a nova ferramenta do Google permite, ao contrário de outras redes sociais, convidar cibernautas que não sejam utilizadores do Gmail, embora esta medida possa sofrer alterações no futuro.

Espera-se que, dentro de uma semana, todos os utilizadores do Gmail possam ter acesso ao novo serviço.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Google Buzz
Google Buzz

COMENTÁRIOS

PUB
Requisição civil permite realizar todos os voos previstos

Depois do braço de ferro com os sindicatos e de vários apelos, o Executivo anunciou em Conselho de Ministros que decreta a requisição civil para evitar a greve na TAP. Objetivo é minimizar o impacto da greve de quatro dias, entre o Natal e o Ano Novo, que foi convocada por 12 sindicatos para contestar o relançamento da privatização da companhia aérea. O anúncio foi feito pelo ministro da Economia, Pires de Lima, que justificou: é «uma situação excepcional»