A classificação de Portugal como «lixo», decidida terça-feira pela Moody`s, está a indignar os utilizadores do Facebook que se estão a mobilizar contra a agência de rating e já convocaram um protesto marcado para sábado em Lisboa.

As múltiplas páginas, eventos e comunidades criados desde então apelam a diferentes tipos de intervenção e vão dos mais simples grupos de discussão à manifestação mais ou menos organizada que está a ser promovido no «Protesto contra as agências de rating».

Bandeira do protesto: um saco de lixo

O local escolhido é o Terreiro do Paço, em Lisboa, e os organizadores pedem a quem quiser participar (mais de 200 pessoas já disseram que sim) que leve um saco de lixo que servirá de «bandeira simbólica».

O antropólogo Pedro Félix, que se associou ao autor da ideia, o assessor da TAP André Serpa Soares, sublinhou que o objectivo é mostrar que «os cidadãos também têm opinião» e que esta não se resume à dos opinion-makers que aparecem nas televisões e nos jornais.

Pedro Félix destacou, citado pela Lusa, que as redes sociais também podem e devem ser usadas «como instrumento para mobilizar as pessoas e não servem só como espaço de manifestação», amplificando o impacto da iniciativa.

«A existência de redes de interesse permite que as ideias circulem com muito mais rapidez, são quase imediatas».

Responder na mesma moeda

Mas há quem opte pelo boicote, como o evento «Cortar na cotação da Moody`s» que já conta com mais de 16 mil aderentes e pede para «responder na mesma moeda» a quem «pôs o país no lixo».

O criador, David Carvalho, sugere que se «corte» na Moody`s avaliando o website da empresa como «lixo».

Deixar lixo à porta da Moody`s

Outra forma de indignação é a proposta pela página «Portuguese Junk Money» criada por Margarita Cardoso Menezes.

«Vamos provar à Moody`s que podemos pagar... com a nossa nova moeda» é a frase que lança o objectivo: enviar lixo para a morada da agência de rating norte-americana.

Há também quem peça um minuto para protestar «contra o poder e comportamento das agências de rating», no dia 11 de Julho às 13:00, como a «Support Rating Agencies» de António Mateus e quem queira «Mandar a Moody`s à m...», um apelo que reuniu o consenso de mais de 20 mil utilizadores.

Bruno Silva e Mário Ferreira, autores deste evento, defendem que é preciso «mostrar o desagrado» e sugere que se mande uma mensagem «em bom português», incluindo o vernáculo, para o sítio da Internet da agência de notação financeira.

E concluem, em tom de indignação: «Nós não somos lixo!!! Somos 10 milhões de pessoas que querem um futuro».