Do padre José Tolentino Mendonça que produz a um ritmo impressionante, agora com poesia «A papoila e o monge» e já lhe dei os parabéns principalmente nos versos sobre o silêncio