Com a evolução das novas tecnologias o fenómeno da narrativa «transmedia»(adaptação de uma obra a outro media) ganha outra dimensão.

As redes sociais na Internet e a adaptação de conteúdos às novas tecnologias transformam uma narrativa em algo inacabado onde o cidadão comum participa na construção da história. «A convergência ocorre dentro dos cérebros dos consumidores individuais e nas suas interacções com os outros», afirma Henry Jenkins o «pai» da narrativa «transmedia», citado pelo jornal brasileiro Estadão.

A crescente popularidade das séries televisivas despoletou o surgimento de comunidades na Internet onde se debate o rumo de uma personagem ou se tenta antecipar o final de um argumento. Estas discussões em rede transformam este conceito, criado por Henry Jenkins, em algo que vai mais além de uma mera adaptação de um argumento para outro medium.

O exemplo da série Lost ilustra a preocupação em rentabilizar os novos media como uma oportunidade de expandir a narrativa para além do pequeno ecrã. A série criada por JJ Abrams aproveita o fenómeno à volta da trama de Lost para expandi-la para o formato telemóvel ou online. Estes episódios de curta duração não são versões alternativas dos transmitidos na televisão, mas sim complementos dos mesmos.

A narrativa «transmedia» não é um fenómeno recente, mas ganha novos contornos com a expansão às novas tecnologias, permitindo uma maior interactividade com o público.