Um saudita foi detido esta sexta-feira por alegadamente ter ameaçado atacar mulheres condutores, dias depois de ter sido emitido um decreto que acaba com a proibição de as mulheres conduzirem.

A informação foi dada pelo ministro do Interior da Arábia Saudita, segundo relata a agência Reuters.

Na terça-feira foi dada a novidade à população, pelo Rei Salman, garantido que a partir do próximo ano as mulheres podem sentar-se ao volante de um carro sem quaisquer limitações. Enquanto para muitos foi motivo de contentamento, para outros terá surgido como ofensa.

O ministro partilhou no Twitter que a polícia saudita deteve o suspeito, que não foi identificado.

Eu juro por Deus que qualquer mulher cujo carro pare, eu queimo-a a ela e ao carro”. Estas terão sido as palavras proferidas pelo homem que usava um vestido branco tradicional, num vídeo que circulou na Internet nos últimos dias, mas cuja veracidade a Reuters não consegui atestar.

De acordo com a imprensa saudita, incluindo o jornal Okaz, o porta-voz da polícia terá afirmado que o homem detido tem uma idade que ronda os vinte anos e a detenção foi ordenada pelo governador.

A Arábia Saudita é o único país no mundo onde as mulheres estão proibidas de guiar, uma tradição conservadora que pretende limitar a mobilidade e o contacto com homens na via pública.