A primeira conferência de imprensa conjunta enquanto novo ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido não correu de feição a Boris Johnson, esta terça-feira. No final de uma reunião bilateral com o seu homólogo norte-americano, John Kerry, em Londres, o político britânico foi imediatamente confrontado ao que disse no passado.

As farpas foram atiradas por Brad Klapper, jornalista da agência de notícias Associated Press. O repórter pegou em declarações recentes e polémicas proferidas por Johnson para perceber se ainda refletiam as suas orientações em matéria de política externa:

O senhor acusou o atual presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de possuir uma, cito, 'antipatia ancestral pelo Império Britânico parcialmente queniana' (...). O senhor descreveu a possível futura presidente dos Estados Unidos, Hillary Clinton, como alguém com, cito, "um cabelo louro tingido, lábios carnudos e um olhar azul de aço, como uma enfermeira sádica de um hospital psiquiátrico', fim da citação (...). Retira estes comentários? Ou pretende levá-los consigo no seu novo emprego como uma espécie de indicador do tipo de diplomacia que irá praticar?", perguntou Brad Klapper.

O recapitular das declarações arrancou um sorriso amarelo ao ministro britânico e John Kerry quase se desfez em risos. Boris Johnson, dentro do seu estilo retórico, acabaria por retorquir à confrontação do jornalista:

Creio que existe atualmente um léxico tão rico de coisas que eu disse que foram - de uma maneira ou outra, não sei através de que alquimia -, de certa forma, mal-interpretadas, que levaria muito tempo a envolver-me num itinerário de desculpas total e global a todos os envolvidos", respondeu Boris Johnson.

Uma resposta que levou Brad Klapper a invocar o "obiter dictum", expressão em latim que, no plano jurídico, remete para a opinião emitida pelo juiz, embora considerada secundária e sem impacto na decisão final. O repórter da Associated Press assinaria mesmo um artigo no qual refere que Johnson "rejeitou os seu historial de insultos".

O vídeo abaixo mostra o momento da conferência de imprensa protagonizado pelo político britânico e o jornalista.