O filme de João Rosas relata o fascínio de Nicolau, um jovem de 14 anos, pela bela e reservada Maria do Mar. Com esta ideia, a curta-metragem conquistou os prémios Cexeci do Júri Jovem e AEC para a Melhor Fotografia.

Considerado pelos promotores do festival como "um dos mais importantes da Península Ibérica no âmbito das curtas-metragens", o premiado filme português "Maria do Mar" competiu com outras 20 curtas-metragens.

Havia três outros filmes portugueses a concurso ("Os barcos", de Dominga Sotomayor, "Vigil", de Rita Cruchinho, e "Yulya", de André Marques), sendo que todos foram selecionados de um conjunto de 500 obras apresentadas ao festival deste ano.

A curta-metragem "Classmate", do diretor espanhol Javier Marco Rico e da guionista espanhola Belén Sánchez-Arévalo e gravada na íntegra em inglês, ganhou o primeiro prémio de Melhor Curta-metragem e o Prémio ao Melhor Argumento.

O segundo prémio de Melhor Curta-metragem foi para o "thriller" de ficção científica "El pescador", de Alejandro Suárez, que conquistou também os prémios de Melhor Diretor e de Melhor Música Original.

Patricia Arbues ganhou o prémio de Melhor Atriz, pelo seu desempenho na curta-metragem "La invitación", da realizadora espanhola Susana Casares.

O prémio de Melhor Ator foi para Alex Brendemühl, o protagonista da curta-metragem "No estamos aquí para que nos toquen los huevos", de Kike Barberá, que conquistou o Prémio do Público de Badajoz.

"La regla del subjuntivo", "obra-prima" da diretora de Badajoz Leticia Torres, ganhou o Prémio Filmoteca de Extremadura para a Melhor Curta Extremenha.