O ministro da Economia, Pires de Lima, afirmou nesta quinta-feira que o Documento de Estratégia Orçamental (DEO) é um «bom documento» para a economia e mostrou-se «muito confiante» na recuperação económica do país em 2014 e em 2015.

«Eu creio que o DEO apresentado ontem é um bom documento para a economia», disse Pires de Lima aos jornalistas, na Guarda, onde inaugurou a primeira Feira Ibérica de Turismo (FIT) organizada pela câmara municipal.

O Governo apresentou na quarta-feira o DEO, que prevê um aumento da taxa normal do IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) para 23,25% e um aumento dos descontos dos trabalhadores para a Segurança Social.

No DEO, que define as linhas de orientação para as políticas com incidência orçamental até 2018, está ainda previsto que os cortes salariais na função pública comecem a ser devolvidos de forma gradual.

O ministro da Economia considera que o documento é «bom» porque, «num registo de grande responsabilidade orçamental, consagra um ponto que é muito importante, que é a recuperação dos rendimentos dos pensionistas que foram afetados ao longo dos últimos três anos».

Pires de Lima disse não entender como é que pode haver oposição a uma recuperação substancial de rendimentos dos pensionistas a partir de 2015.

Segundo o governante, o DEO «prevê a recuperação dos rendimentos de forma gradual e progressiva, mas com metas já apontadas também para 2015, da administração pública, dos quadros e dos trabalhadores da administração pública».

«E eu creio que isto também é um dado positivo, não só do ponto de vista de justiça, mas também para a economia. Portanto, também não consigo perceber como é que se consegue fazer oposição relativamente a este compromisso de recuperação de poder de compra na administração pública», disse aos jornalistas.

O governante referiu que «tudo isto é conseguido com um aumento marginal, para não dizer mesmo decimal, do IVA e da TSU [Taxa Social Única]», o que considera «perfeitamente aceitável e equilibrado».

«Continuo muito confiante na retoma e na recuperação económica em Portugal em 2014 e em 2015. Eu acho que o crescimento económico em 2014 e em 2015 vai ser superior às previsões que neste momento temos nos vários cenários macroeconómicos», afirmou Pires de Lima nesta deslocação à Guarda.

A FIT decorre até domingo e reúne cerca de cem expositores de Portugal e de Espanha.