O Conselho Nacional do PSD, órgão máximo do partido entre congressos, reúne-se esta quarta-feira para «análise da situação política», três dias depois da derrota eleitoral nas europeias.

A reunião do Conselho Nacional, que foi marcada já há uma semana, ainda durante a campanha eleitoral, tem apenas dois pontos de agenda: «informações» e «análise da situação política».

Antes do encontro, que decorre a partir das 21:00 num hotel de Lisboa, irá realizar-se uma reunião da comissão política nacional e o líder do partido, Pedro Passos Coelho, irá encontrar-se com as distritais do partido.

Nas eleições europeias de domingo, o PSD, que concorreu coligado com o CDS-PP, perdeu um eurodeputado (passou de oito para sete), ficando quatro pontos atrás do PS, que obteve 31,7% dos votos (oito eurodeputados), contra 27,7% da Aliança Portugal.

Na noite eleitoral, Passos Coelho reconheceu a responsabilidade política pela derrota da Aliança Portugal nas eleições europeias, mas relativizou os resultados alegando que a derrota da coligação não foi tão grande quanto foi prognosticado.

«A Aliança Portugal ficou, evidentemente, aquém das suas expectativas. Perdemos estas eleições e eu quero, no que me toca, reconhecer a responsabilidade política por este resultado», disse Passos Coelho.

Contudo, acrescentou, «nem a derrota da Aliança Portugal foi tão grande quanto se prognosticou nem a vitória do PS foi tão folgada quanto foi anunciado».

A última reunião do Conselho Nacional do PSD realizou-se a 2 de março, precisamente para aprovar a lista de candidatos do partido às europeias e ratificar o acordo de coligação com o CDS-PP.

Essa foi também a primeira reunião do novo Conselho Nacional do PSD, eleito uma semana antes em Congresso, e que teve como novidade o ex-ministro adjunto e antigo dirigente nacional social-democrata Miguel Relvas, escolhido por Pedro Passos Coelho para encabeçar a sua lista a este órgão partidário.