Pela primeira vez em 40 anos, uma maioria de cidadãos dos EUA estima que a influência do seu país está em declínio e que o poder exterior que tem enfraqueceu em relação ao passado, indica uma sondagem publicada nesta terça-feira.

O inquérito foi realizado pelo instituto Pew Research Center junto de pouco mais de duas mil pessoas, entre 30 de outubro e 06 de novembro de 2013.

Também pela primeira vez, uma maioria exprimiu o entendimento de que os EUA «devem tratar dos seus próprios assuntos» na cena internacional.

«Pela primeira vez em quase 40 anos de sondagens, uma maioria de pessoas (53%) considera que os EUA desempenham um papel menos importante e menos poderoso à escala do planeta do que há uma década», sublinha a instituição produtora do estudo.

Esta percentagem excede em 12 pontos o valor de 2009 e mais do que duplica em relação a 2004, ano em que o Presidente era George W. Bush.

Cerca de 70% das pessoas interrogadas consideram que os EUA inspiram menos respeito que no passado, nível semelhante ao do final do segundo mandato de George W. Bush.

A política estrangeira do atual Presidente, Barack Obama, é reprovada por uma maioria de 56% e aprovada por 34%.

Os norte-americanos «desaprovam designadamente a sua gestão da situação na Síria, no Irão, na China e no Afeganistão», aponta o documento.

A luta antiterrorista aparece como um dos domínios em que há mais norte-americanos a aprovar (51%) do que a reprovar Obama, o que é feito por 44%.

Outro aspeto que surpreendeu os analistas foi o facto de, pela primeira vez em cerca de meio século, 52% das pessoas estimaram que os EUA deveriam «tratar dos seus assuntos na cena internacional e deixar os outros países desembaraçarem-se de problemas por sui próprios», contra apenas 38% que pensam o contrário.