Um CV pode ser mais do que um currículo

Conheça-se a si próprio para saber o que vale no mercado

Por:
   |   25 de Março de 2013 às 18:45
Já lá vai o tempo em que o currículo em papel era a única forma de nos darmos a conhecer às empresas onde queríamos trabalhar. Hoje em dia são muitas as possibilidades e as redes sociais, como o Linkedin, dão uma ajuda. Não basta estar, é preciso investir tempo nelas. Mas um CV é um CV e continua a fazer falta.

Foi lançado recentemente em Portugal o CVitt, uma ferramenta gratuita que lhe permite fazer um currículo. Melhor, o seu currículo, com tudo o que de importante o define, para além do seu percurso profissional.

«Quisemos ir buscar o outro lado da pessoa, para o utilizador se conhecer melhor. Há muita gente que tem um espelho diferente do que aquilo que realmente é» e posiciona-se mal no mercado de trabalho, disse ao tvi24.pt Marco Vilela Gomes, da Ray Human Capital, responsável em Portugal pelo projeto que arrancou em novembro em Espanha.

«Hoje em dia as empresas querem conhecer os potenciais colaboradores numa visão 360º, através das redes sociais, networking e o CVitt apresenta outras dimensões para além do que está factualmente num CV normal», acrescentou.

É mais do que um CV padrão porque pode ser utilizado como um espaço de desenvolvimento pessoal e de competências. Que as empresas também procuram: quem é que numa entrevista já não se viu confrontado com perguntas como «Faz voluntariado? Costuma viajar?». O Cvitt pretende ser o espelho disso e não só: «Cruzamos três dimensões em particular para conhecer a pessoa - trajetória profissional, perfil de expectativas (como é que eu me vejo, como é que os outros me vêem, como é que eu gostaria de ser visto) e o perfil de talentos (necessariamente ligados com aquilo que fazemos para além da vida profissional)».

Desse cruzamento, sairão resultados que permitirão à pessoa «conhecer-se melhor e, acima de tudo, diferenciar-se. Este é o grande salto que o CVitt pretende dar».

Se o utilizador for, por exemplo, um analista financeiro, que trabalhe na banca, «pode perceber como é que se compara com as pessoas da sua idade, da sua função, na banca também, e perceber qual é o perfil genérico daquela função e o seu e qual o gap que tem em relação a essas competências para poder trabalhá-las», explicou o mesmo responsável.

Existem duas versões, ambas gratuitas, uma mais rápida e outra mais completa para elaborar o perfil. As duas convidam o utilizador a escolher um slogan, «uma frase que o defina e pela qual quer ser conhecido», lê-se na plataforma.

Depois, altura de identificar competências e talentos, não sem responder a uma série de perguntas como: «Já o felicitaram pela prática desta actividade? Tem certificados de cursos relacionados com esta actividade? Já foi mencionado como alguém de referência?». Tudo para detetar o quão competente e/ou talentoso é efetivamente,numa perspetiva de mercado. Ou se diz que é apenas porque sim.

Há também perguntas sobre que atividades intelectuais gosta de realizar e em que medida é que elas o satisfazem. Perguntas também sobre a forma como se relaciona com os outros. No final, quais as expectativas que tem em relação ao trabalho que ambiciona fazer.

Tudo é medido até chegarmos ao seu perfil do profissional: se é mais especialista, inovador, competitivo, de gestor, de serviço ou de suporte. Um perfil que pode ir sendo ajustado à medida que renova ou ganha competências.

As empresas que queiram ter também um perfil corporativo poderão fazê-lo gratuitamente pelo menos até ao terceiro trimestre deste ano. Os utilizadores singulares podem escolher o uso que dão ao CV: perfil público; só para utilizadores; e/ou só para empresas.

O especialista em marketing digital e redes sociais da FLAG, Gabriel Augusto, entende que esta «é uma ferramenta com muito potencial, a que as pessoas devem estar atentas também». «Parece-me um meio termo entre o Linkedin e o Facebook».
Partilhar
EM BAIXO: CVitt (site oficial)
CVitt (site oficial)
COMENTÁRIOS

PUB
Estado está a cobrar 244 milhões de euros a mais de IMI

Simuladores mostram que os portugueses estão a pagar mais Imposto Municipal sobre Imóveis do que deviam, garante a Deco, que está a promover uma manifestação online. O conselho? Munido da caderneta predial, cada contribuinte pode verificar se lhe compensa pedir a atualização dos dados