O serviço de emergência 911 (o equivalente ao 112 em Portugal) recebeu duas chamadas vindas do zoo de Cincinnati, no sábado, a alertar para uma criança em perigo. Uma das chamadas partiu da mãe do menino de quatro anos.

Olá. O meu filho caiu na jaula dos gorilas”, ouve-se na gravação a que a CNN teve acesso.

“Ele está a arrastar o meu filho. Eu não consigo olhar”, acrescentou a mulher.

Uma segunda chamada partiu de uma família que também estava no jardim zoológico naquela altura.

Deidre Lykins não viu a criança cair, mas testemunhou a aflição da mãe e temeu pelo menino, que parecia “indefeso” perante os 180 quilos do gorila Harambe, de acordo com o seu testemunho à CNN.

A situação durou dez minutos, até ao animal ser abatido pelos responsáveis do jardim zoológico, o que tem alimentado alguma polémica. Há vozes que se levantam a criticar a decisão extrema tomada pela direção do parque. Está, inclusive, a correr uma petição que deseja responsabilizar a mãe pela morte do animal de uma raça em vias de extinção, acusando-a de negligência.

Harambe tinha 17 anos e pesava 180 quilos. As imagens de um vídeo amador, bem como alguns testemunhos recolhidos no local, acalentam dúvidas se o primata estava a tratar a criança como uma presa ou como uma cria.

A família do menino informou, em comunicado, na quarta-feira, que ele está bem de saúde.