Três pessoas morreram na Venezuela por complicações de saúde ligadas ao Zika, revelou na quinta-feira o Presidente Nicolás Maduro, dando conta das primeiras mortes no país relacionadas com o vírus transmitido por um mosquito.

Em declarações através da televisão estatal, Maduro disse que há 319 casos confirmados no país.

“Infelizmente tivemos três mortes por Zika em todo o país”, afirmou.

Segundo dados do Centro Europeu de Controlo de Doenças, até 28 de janeiro, vários países reportaram casos confirmados de infeção por vírus Zika, como: Barbados, Bolívia, Brasil, Cabo Verde, Colômbia, Curaçau, Equador, El Salvador, Guiana, Guiana Francesa, Guadalupe, Guatemala, Haiti, Honduras, Ilhas Fiji, Ilhas Virgens, Ilhas Samoa, Ilhas Salomão, Maldivas, Martinica, México, Nova Caledónia, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Porto Rico, República Dominicana, Saint Martin, Suriname, Tailândia, Vanuatu e Venezuela.

vírus Zika manifesta-se em sintomas semelhantes aos da gripe, como febres baixas, dores de cabeça, dores nas articulações e erupções cutâneas.  

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a doença está a propagar-se "de forma explosiva" pelo continente americano, com três a quatro milhões de casos esperados este ano, dos quais 1,5 milhões no Brasil, o país mais afetado.  

Este vírus é associado no Brasil a um aumento de casos de microcefalia, um distúrbio de desenvolvimento fetal que causa o perímetro do crânio infantil mais baixo do que o normal, o que provoca atrasos no desenvolvimento mental.