Pelo menos 32 pessoas morreram, esta terça-feira, na explosão de uma bomba num mercado da cidade de Yola, no nordeste da Nigéria, noticia a AFP, que cita informações da Cruz Vermelha e da Agência Nacional de Emergência.
 
"Até agora, contámos 32 mortos e cerca de 80 feridos", disse o coordenador da agência em Yola, Sa'ad Bello.

O balanço da Cruz Vermelha é ligeiramente inferior e aponta para 31 mortos e 72 feridos.

A explosão ocorreu às 20:20 horas locais (19:20 em Portugal continental) no distrito de Jambutu, poucos dias depois de o Presidente nigeriano ter assegurado que o grupo extremista islâmico Boko Haram estava prestes a ser derrotado. Na sexta-feira, Muhammadu Buhari esteve em Yola para condecorar soldados pela coragem demonstrada na luta contra o Boko Haram e visitar um campo de refugiados. 
 

Nos últimos meses, o Boko Haram atacou em diversas ocasiões aquela cidade.

O grupo extremista pretende instaurar um califado no norte da Nigéria, maioritariamente muçulmano, ao contrário do sul, de maioria cristã. A violência da insurreição do Boko Haram e da repressão pelas forças armadas nigerianas já causaram mais de 17 mil mortos desde 2009 e perto de 2,6 milhões de deslocados e refugiados nos Camarões, Chade e Níger.
 
No mês de novembro ainda não tinha havido qualquer ataque terrorista no país, o que indiciava que a estratégia de contra terrorismo no local estaria a ser bem-sucedida.