Uma adolescente que foi esfaqueada na quinta-feira juntamente com outras cinco pessoas durante uma marcha de orgulho gay em Jerusalém não resistiu aos ferimentos e morreu este domingo no hospital, divulgaram fontes médicas.

O suspeito do ataque é um judeu ultraortodoxo, Yishai Shlissel, que em 2005 já tinha ferido outras três pessoas durante o mesmo evento.

Shira Banki, de 16 anos, estava em estado crítico desde o incidente de quinta-feira. A vítima foi esfaqueada na zona das costas.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu já condenou o ataque, classificando-o como o "mais sério incidente" e o pior ataque, em anos, neste evento.  

Cerca de cinco mil pessoas participaram na marcha que, todos os anos, gera alguma tensão. Isto porque, ao contrário do que acontece em Tel Avive, onde as paradas gay ocorrem quase sempre sem incidentes, as comunidades de judeus ultra-ortodoxos de Jerusalém opõem-se fortemente às manifestações públicas da homossexualidade.