Os candidatos favoritos a vencer as presidenciais das Honduras, Xiomara Castro e Juan Orlando Hernández, autoproclamaram-se vencedores das eleições marcadas pela forte afluência às urnas e cujos resultados oficiais dão a vitória a Hernández.

A atitude dos políticos contrasta com a posição do Supremo Tribunal Eleitoral que ao emitir o seu segundo boletim de resultados, quando estão apurados 42% dos votos, mantinha a vantagem de Hernández com 34,15%.

O tribunal salientava, no entanto, que os resultados provisórios não significavam nem a proclamação de um vencedor nem o estabelecimento de uma tendência de voto.