No comportamento codificado da diplomacia, não há sinal de descontentamento muito mais forte do que este: o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Laurent Fabius, convocou a embaixadora dos Estados Unidos em França para que este dê explicações sobre o mais recente escândalo envolvendo a NSA.

Nesta quarta-feira, o governo de Paris já tinha considerado “inaceitável a espionagem entre aliados”, depois de documentos revelados pelo WikiLeaks indicarem que a Agência de Segurança Nacional dos EUA  realizou escutas a três Presidentes franceses, incluindo François Hollande.

“A França e os Estados Unidos são frequentemente aliados no mundo em nome da democracia e da liberdade. Uma tal ação claramente não é aceitável nem compreensível", disse à i-Télé o ministro da Agricultura e porta-voz do governo, Stéphane Le Foll.


As declarações de Stéphane Le Foll tiveram lugar em Paris, antes da reunião de emergência convocada por François Hollande com os principais ministros e responsáveis da Defesa do país.

As escutas ocorreram, pelo menos, entre 2006 e Maio 2012, o mês em que Hollande assumiu a liderança, substituindo Sarkozy. O site do Wikileaks diz que envolveram, também, ministros franceses e embaixadores do país nos EUA.  

O porta-voz do Wikileaks não quis adiantar como é que as provas foram obtidas, mas prometeu "mais revelações" para breve. 

Desde que Edward Snowden revelou, em 2013, que a NSA tinha escutado a chanceler alemã, Angela Merkel, ficou claro que os EUA tinham usado a sua agência de segurança para fazer espionagem digital e interceptar conversas de políticos aliados. 

Entretanto, precisamente agora, em junho de 2015, a Alemanha deixou cair a investigação sobre o assunto.  

Certo é que estas novas revelações voltaram a causar constrangimento diplomático entre a Europa e os EUA. O fundador do Wikileaks Julian Assange defende que "o povo francês tem o direito de saber que o seu governo eleito é sujeito a uma vigilância hostil de um suposto aliado".  

O senado dos EUA aprovou recentemente a retirada de poderes à NSA, na sequência do que foi sendo descoberto. E parece que as revelações não se ficam por aqui.