Os investigadores que procuram o Boeing 777 da Malaysia Airlines, desaparecido dos radares em 2014, estão a analisar fotografias de destroços que deram à costa no fim de semana em Moçambique. Um objeto que poderá pertencer ao aparelho do voo MH370 foi encontrado no banco de areia de Paluma, perto de Vilanculos, no sul daquele país africano. 

De acordo com a NBC News, investigadores na Malásia e na Austrália já viram imagens do objeto e dizem haver boas possibilidades de pertencer ao aparelho que desapareceu sobre o Índico a 8 de março de 2014, com 239 pessoas a bordo.

A peça encontrada é um estabilizador horizontal e está a caminho da Indonésia para ser examinada, disse um responsável norte-americano à CNN. A NBC News escreve que, no objeto, foi encontrada a inscrição “No Step” (em português, “Não passar”), o que indicia que possa pertencer a um estabilizador horizontal da cauda do avião.

Já em julho de 2015 um destroço tinha sido encontrado no Oceano Índico, na ilha francesa de Reunião. Foi no canal entre essa ilha e Moçambique que o novo objeto foi encontrado.

Esta descoberta acontece exatamente dois anos depois de o avião, que partiu de Kuala Lumpur, em Singapura, rumo a Pequim, na China, ter desaparecido dos radares. A tese que mais convence os especialistas é a de que o Boeing 777 da Malaysia Airlines se tenha despenhado algures no Sul do Oceano Índico. 

As autoridades aeronáuticas moçambicanas confirmaram entretanto à agência Lusa a descoberta de uma peça de avião na costa de Moçambique, mas consideram prematuro relacioná-la com o Boeing 777 da Malaysia Airlines.

(Foto de arquivo)