Vladimir Zhironovsky, um político do partido Liberal Democrático russo, foi filmado a ordenar a dois ajudantes que «violassem violentamente» uma jornalista grávida que se encontrava na conferência de imprensa dada na Duma Estatal.

Segundo o «Independent», Zhironovsky foi filmado a proferir comentários sexistas e homofóbicos depois de ter sido questionado sobre a crise na Ucrânia.

O incidente já foi classificado como «uma vergonha para o parlamento russo».

A jornalista ofendida, Stella Dubovitskaya, do «Russia Today», perguntava a Zhironovsky se achava que deveria existir uma resposta diplomática à proibição da entrada de cidadãos russos na Ucrânia.

O político de 67 anos respondeu que os políticos ucranianos são «ninfomaníacos», usando um termo que se refere a um desejo sexual feminino excessivo. Depois, sugeriu que a jornalista, grávida, também deveria sofrer da mesma condição.

De seguida, Zhironovsky decidiu empurrar dois dos seus assistentes na direção da jornalista, com ordens para a «violarem violentamente».

Quando um dos jovens tentou tocar na mulher, outros jornalistas intervieram e afirmaram que aquela não era forma de se dirigir a uma mulher que está grávida de seis meses.

«Este não é o teu lugar se estás grávida. Precisamos de pessoas saudáveis. Grávidas não devem vir trabalhar. Fica em casa e cuida da tua criança, percebeste?» respondeu o político.

Uma das intervenientes, Yulia Chuchalova, da agência de notícias Interfax, apelidou as ações do político de humilhantes e insultuosas, ao que Zhironovsky tratou de responder com «o que estás a fazer aqui sua lésbica? Sai daqui».

O comportamento do politico já foi condenado pelo Duma, a câmara baixa da assembleia russa, que afirmou já ter pedido à comissão de ética para denunciar a ocorrência.

Entretanto Zhironovsky já pediu desculpa pelo seu comportamento, durante uma entrevista televisiva, onde Vladimir admitiu ter sido «um pouco rude» e onde pediu perdão, se «eventualmente ofendeu alguém».

A diretora do «Russia Today», Margareta Simonyan, afirmou que a sua agência «vai usar todos os meios legais para punir Zhirinovsky o mais severamente possível».