O Presidente russo, Vladimir Putin, propôs hoje que os Estados do G20 debatam, durante o jantar, a situação na Síria, introduzindo oficialmente na agenda do encontro o tema que já a dominava de facto.

«Alguns participantes pediram-me tempo e a possibilidade de debater outros temas muito urgentes de política internacional, em particular, a situação na Síria. Proponho que o debate decorra ao jantar», disse Putin, no discurso de abertura da cimeira das maiores potências mundiais, em São Petersburgo.

A Rússia opõe-se firmemente a uma intervenção militar na Síria, ao contrário dos Estados Unidos e da França.

Criado em 1999, o G20 integra os sete países mais industrializados do mundo (Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, França, Itália, Japão, Alemanha), as economias emergentes (Argentina, Austrália, Brasil, China, Índia, Indonésia, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Coreia do Sul, Turquia) e a União Europeia.

O G20 representa 85 por cento da economia mundial e cerca de dois terços da população.