Num estudo publicado no British Medical Journal, em que dois dos autores são portugueses, atribui-se um "andar de pistoleiro" ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, que pode estar relacionado com o treino que recebeu no KGB.

O andar de Putin, que os investigadores apelidaram de "gunslinger's gait [o andar de pistoleiro]", revela uma diminuição no balanceio do braço direito, que poderá estar relacionada com o treino que o presidente russo recebeu enquanto membro dos serviços secretos soviéticos (KGB), disse à agência Lusa um dos autores do estudo, Rui Araújo, médico interno de neurologia no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

No artigo agora publicado, o grupo de quatro neurologistas (dois portugueses, um italiano e um holandês) propõe um novo modelo de marcha que pode ser o resultado "de uma adaptação comportamental, possivelmente acionada por treino do KGB em que os recrutas são ensinados a manter a sua mão direita perto do peito enquanto andam".

Este ensinamento permite que os agentes do KGB ou outros militares "consigam retirar rapidamente a arma quando se deparam com um inimigo", refere-se o estudo, que usa o termo de "andar de pistoleiro", por este tipo de movimento estar também presente nos 'cowboys' de filmes do Oeste norte-americanos.

Numa primeira fase, foi analisado um manual de treinos do KGB, que indica que os agentes "devem andar com o braço direito colado ao corpo", contou à Lusa Rui Araújo.

Posteriormente, foram estudados vídeos no Youtube em que foi possível observar a marcha de outros oficiais russos, de forma a testar a hipótese avançada.

"Descobriu-se que outras pessoas da elite política e militar russa também apresentam a mesma marcha. O mesmo balanceio", frisou Rui Araújo.

Para além de Putin, o "andar de pistoleiro" foi identificado no primeiro-ministro Dmitry Medvedev, nos antigos ministros da defesa Anatoly Serdyukov e Sergei Ivanov e no comandante militar russo Anatoly Sidorov.

Tal como o presidente russo, Sergei Ivanov também foi agente do KGB e Serdyukov e Sidorov receberam "treino militar", refere o estudo.

Já para Medvedev, a explicação é outra. No caso do primeiro-ministro russo, os investigadores acreditam que é a "máquina de propaganda" a funcionar, considerando que Medvedev "esteja a ser ensinado ou catequizado para andar, vestir e falar como Putin", realça o investigador.

A "diminuição do balanceio de um dos membros superiores [neste caso do direito]" está normalmente relacionado com patologias como a doença de Parkinson, indicou Rui Araújo.

Face a essa associação, alerta-se para a possibilidade de diagnósticos errados em indivíduos com treino militar, fazendo uma especial recomendação para que neurologistas russos incluam o "andar de pistoleiro" no seu diagnóstico diferencial.

O estudo foi realizado pelo médio Rui Araújo, pelo diretor europeu da Sociedade Internacional de Doenças do Movimento, Joaquim Ferreira, pelo docente de neurologia holandês Bastiaan Bloem e pelo docente de neurologia italiano Angelo Antonini.