Norte-americana, viúva, 93 anos e uma fortuna imensa amealhada com o marido, que será doada agora a um jardim zoológico: 22 milhões de dólares, qualquer coisa como 18,6 milhões de euros. O agraciado não é um zoo nos EUA, mas sim na Alemanha. E, nesta história, temos de recuar à II Guerra Mundial. Por detrás da doação, está uma história de amor.

É que Elizabeth Reichert conheceu o marido na cidade alemã de Colónia, em 1944. É para lá que quer voltar e deixar uma herança. Foi o que acordou com o marido, Arnulf Reichert, quando ele ainda era vivo.

Quando se começa a pensar a quem se deseja deixar o dinheiro, as memórias desempenham um papel importante. Com o zoológico, o dinheiro está bem gasto".

Falando por telefone, a partir de Filadélfia, com o jornal germânico Koelner Stadt-Anzeiger, Elizabeth explicou que o seu companheiro era judeu e que se conheceram em Colónia, na altura em que ele foi obrigado a viver num esconderijo para fugir à maldade dos nazis.

Casaram um ano depois de a guerra terminar. Dali foram para Israel, por pouco tempo, antes de irem viver o sonho americano. Ela foi cabeleireira. Ele trabalhava com animais de estimação (venda e alimentos), tendo criado depois um negócio próprio com o qual fez fortuna.

A doação acontecerá só depois da morte desta mulher e será feita em pagamentos anuais. Porém, não foi a primeira vez que o casal doou dinheiro ao zoológico alemão. Em 1954, apadrinharam uma tartaruga de casca mole.

O diretor do zoológico, Christopher Landsberg, ficou surpreendido com tamanha, inesperada e invulgar dádiva. "Quase caí da cadeira".