A presidente da Libéria, Ellen Johson Sirleaf, escreveu uma «carta ao mundo», onde pediu união da comunidade internacional para erradicar a epidemia do ébola. Na carta divulgada pela BBC, Ellen Sirleaf, argumentou que «todos temos um interesse na batalha contra o ébola», porque o vírus «não respeita fronteiras».

A presidente sublinhou que uma geração de africanos corre o risco de «se perder» por causa da «catástrofe económica» imposta pelo vírus. «É o dever de todos nós, como cidadãos globais, enviar uma mensagem de que não abandonaremos milhões de pessoas no Oeste da África à sua própria sorte contra um inimigo que não conhecem e contra quem não têm defesa», disse.

«O ébola não é apenas uma crise de saúde. Em todo o Oeste da África, uma geração de jovens corre o risco de se perder pela catástrofe econômica», acrescenta, na missiva que dirige a «caro mundo».

O surto atual do ébola já matou mais de 4500 pessoas em todo o mundo. Quase metade das mortes ocorreram na Libéria.