A Organização Mundial de Saúde (OMS) avisou, esta sexta-feira, que a epidemia de ébola continua a propagar-se e admite que o número de vítimas mortais é bem maior do que o estimado. Oficialmente, o surto de ébola contaminou 1.975 pessoas, das quais 1.069 morreram, na Guiné Conacri, Libéria, Serra Leoa e Nigéria.

Elementos da Organização Mundial de Saúde, que estão no terreno a combater o ébola, terão encontrado provas de que o número de vítimas está «largamente subestimado» e que são necessárias medidas «extraordinárias» para conter a propagação do vírus, sublinha a OMS, em comunicado citado pela CNN.

Sem apresentar uma estimativa dos casos não contabilizados, a OMS avisa que a epidemia continua a alastrar-se e sublinha que está a coordenar a resposta internacional, que deve prolongar-se durante vários meses.

Médico norte-americano vai ter alta «em breve»

O médico e missionário norte-americano Kent Brantly, que está a ser tratado nos Estados Unidos por suspeita de estar infetado com o vírus ébola, está «muito bem» e espera receber alta hospitalar em breve.

De acordo a ONG para a qual trabalha, o médico «está bem e espera receber alta num futuro próximo». A afirmação é do presidente da instituição, Franklin Graham, num post colocado na página do Facebook da Bolsa do Samaritano.

O missionário esteve na Libéria até 11 de agosto, dia em que foi transportado para os Estados Unidos, onde está a ser tratado numa sala isolada do Hospital Universitário de Emory, em Atlanta. Kent Brantly está a ter uma evolução favorável no seguimento da administração da droga experimental ZMapp, estando, pelos vistos, praticamente curado, noticia a AFP.