Uma pessoa que terá contraído ébola na Serra Leoa e que trabalha com uma agência das Nações Unidas foi levada para França no sábado, onde está agora a ser tratada. Este é o segundo caso da doença que está a ser acompanhado naquele país europeu.

Em comunicado divulgado este domingo, o Ministério francês da Saúde refere que em causa está uma pessoa de nacionalidade francesa, mas não foi revelado se se trata de um homem ou mulher. «Foi alvo de uma evacuação médica e sanitária num avião especial», detalha o ministério francês, que garante que todo o circuito por onde passou o doente estava seguro. A tutela frisa também que não há registo de qualquer outro caso de ébola no país.

O jornal «Le Monde», que cita as agências noticiosas AFP e Reuters, indica que a pessoa infetada está «em isolamento de alta-segurança num quarto especial no Hospital des Armées Bégin», em Saint-Mandé, nos subúrbios de Paris.

Em meados de Setembro, uma enfermeira francesa que trabalhava com os Médicos sem Fronteiras foi também retirada da Libéria para ser tratada em França, tendo sido declarada saudável a 4 de Outubro.

De acordo com os dados mais recentes da Organização Mundial de Saúde, que datam de sexta-feira, até agora 4941 pessoas morreram nos três países africanos com casos confirmados, suspeitos ou prováveis de ébola desde que o surto eclodiu. Isto de um total de 13.450 casos na Guiné, Libéria e Serra Leoa.

Até Novembro, oito países foram afetados pela doença, que continua ainda assim a grassar naqueles três países da África Ocidental. Há também casos registados na Nigéria, Senegal, Mali, Espanha e EUA.