Três diferentes vacinas experimentais para o vírus Zika desenvolvidas nos Estados Unidos obtiveram resultados em macacos, abrindo caminho a ensaios em humanos nos próximos meses, anunciaram esta quinta-feira os investigadores.

Um estudo publicado pela revista científica Science surge numa altura em que a comunidade científica tenta encontrar uma forma de prevenir o vírus transmitido por mosquitos que pode causar malformações nos recém-nascidos, como microcefalia.

O vírus Zika encontra-se atualmente em cerca de 50 países e territórios, sobretudo na América Latina, Caraíbas e no estado norte-americano da Florida.

“Três vacinas conferem completa proteção contra o vírus Zika em primatas, que é o melhor modelo animal para iniciar ensaios clínicos”, afirmou o investigador Dan Barouch, professor de medicina na Harvard Medical School, citado pela agência France Presse.

A proteção para o vírus Zika em roedores e primatas “enche de otimismo” os investigadores quanto ao desenvolvimento de “uma vacina segura e efetiva para os seres humanos”.

A infeção por vírus Zika não é geralmente uma doença mortal, mas a incidência em mulheres grávidas tem sido relacionada com casos de microcefalia e outras malformações nos bebés.