O Papa Francisco referiu-se, esta quinta-feira, à possibilidade de utilizar métodos contracetivos como “um mal menor” devido ao risco que o vírus zika impõe sobre as grávidas. Francisco afirmou ainda que recorrer ao aborto nesses casos seria um crime.

O pontífice deixou assim em aberto a possibilidade de utilização de anticoncecionais, em declarações prestadas durante o voo que o levou do México para Roma.

Quanto ao aborto, Francisco foi perentório.

Não é um mal menor: é um crime. É eliminar um para salvar o outro. É o que faz a máfia”, disse, perante os 76 representantes da comunicação social internacional que viajavam com ele.

O aborto não é um problema teológico: é um problema humano, é um problema médico. Se assassina uma pessoa para salvar outra no melhor dos casos. Vai contra o juramento hipocrático que os médicos devem fazer”.

O Papa apelou ainda aos médicos que façam de tudo para encontrar uma vacina contra os mosquitos que transmitem esta doença.