A China anunciou este domingo que suspendeu planos de trocas bilaterais com o Vietname, na sequência de episódios fatais de violência anti chinesa no país, numa altura em que Hanói tenta dominar protestos contra a China.

A instabilidade no Vietname provocou até agora a morte de dois cidadãos chineses e a retirada de mais de 3.000, incluindo 16 que estão «gravemente feridos», informou a agência oficial chinesa Xinhua.

A violência, escreveu o porta-voz do ministério dos assuntos exteriores num comunicado, «prejudica a atmosfera e as condições para trocas e cooperação entre a China e o Vietname».

«O lado chinês, a partir de hoje, suspende parte dos seus planos de trocas bilaterais», disse Hong, sem especificar quais os planos em causa.

«A China vai ver como a situação evolui e estudará a hipótese de dar novos passos», acrescentou.

O Vietname tem vindo a ser palco, desde o início da semana, dos mais graves protestos anti China em décadas, na sequência da instalação de uma plataforma petrolífera, por parte de Pequim, em águas reclamadas pelos dois países, no Mar do Sul da China.

Em causa está a soberania das ilhas Paracel e Spratly, alegadamente ricas em petróleo.

Na sexta-feira, o jornal do Partido Comunista Chinês (PCC) apoiou a adoção de medidas «não pacíficas» contra o Vietname, ao considerar a possibilidade de guerra no Mar do Sul da China.