Na China, um homem esteve ao lado da sua namorada durante os seis meses que esta esteve em coma no hospital, não faltando um dia e pagando as contas, que ascenderam a 200 mil yuan, cerca de 28 mil euros.

A história começou por ser reportada assim, como se de amor se tratasse, mas de amor não tinha nada. Tinha sim, de violência doméstica.

Segundo o South China Morning Post, foi aquele homem quem agrediu a vítima quase até à morte, num episódio que esteve perto de ser o último de uma longa série de abusos físicos.

Lin Yingying, atualmente com 22 anos, tinha apenas 20 quando, em setembro de 2014, foi brutalmente espancada depois de ter queimado uma fornada de pão na padaria que geria com o namorado Liu Fenghe, quatro anos mais velho.

Esteve hospitalizada até fevereiro do ano passado, altura em que a família conseguiu que, mesmo em estado vegetativo, fosse transferida para casa, depois de o namorado ter impedido os pais de visitarem a filha.

Recuperou a consciência em maio e, pressionada pelo pai, contou que foi espancada pelo namorado e que não tinha sido a primeira vez. Nunca disse nada por sentir-se ameaçada e recear novos ataques.

No passado sábado, o caso chegou, finalmente, às autoridades, depois de Lin Yingying ter apresentado queixa contra o ex-namorado.