“Ações legais serão tomadas. São atos gravíssimos”, afirmou o ministro da Justiça, referindo-se pela primeira vez às alegadas violações cometidas em 2014.

O ministro salientou que o processo não se dirige à França ou à missão militar francesa, mas a um grupo de pessoas, noticia a Lusa.