Dorina P. tinha 17 anos quando foi capturada por um casal romeno - George-Inout B e a sua mulher, Cristina - que a levaram para Itália para a prostituir. Depois de Itália, o casal levou-a para Hostalets de Llers, em Figueres, Girona, para trabalhar no Club Moonight.

O rapto da jovem romena, por este casal, durou sete meses, tempo em que o casal reclamava uma dívida de 500 euros à jovem.

Em dezembro, o casal vendeu a jovem por 1500 euros a Daniel C. e foi neste momento que o seu pesadelo se transformou num inferno de tortura.

De acordo com o «El País», a jovem, que fez 19 anos em março, revelou às autoridades foi vítima de agressões e exploração no Club Moonigth e quando saía de lá continuava a ser explorada em casa, uma vez que o proxeneta procurava clientes pelas ruas e entre conhecidos para que Doriana P. se deitasse com eles na casa onde vivia.

Daniel C. agredia ainda a jovem sexualmente e quando esta se encontrava menstruada obrigava-a a praticar sexo oral ou anal, como forma de «entretenimento» e para angariar mais clientes e, consequentemente, mais dinheiro. A polícia acredita que o proxeneta tenha ganho, a par com a mulher, cerca de 35 mil euros por explorar a jovem.

Desesperada, Dorina P. chegou a desabafar com pessoas que a rodeavam que se queria suicidar. Uma testemunha protegida alertou a polícia - que já tinha recebido informações através da Embaixada Romena - da situação da jovem e que a vida desta estava em perigo.

A 19 de março, Daniel C., o proxeneta, foi detido e acusado por tráfego de seres humanos, prostituição coagida e agressão sexual.

Durante a operação foi ainda detida Valentina T., a mulher que controlava a vítima no clube Moonight, acusada de prostituição coagida. A polícia emitiu ainda ordem de detenção para a mulher do proxeneta e para o casal que capturou Dorina P. quando esta tinha 17 anos. A jovem, agora com 19 anos, foi acolhida por uma ONG.