Os comentários de um juiz sobre uma jovem que foi violada por um professor estão a causar indignação nos Estados Unidos. O magistrado do distrito de Montana, G. Todd Baugh, afirmou durante a leitura da sentença do antigo professor Stacey Rambold, que a menina que o arguido violou em 2008, Cherice Moralez, então com 14 anos, era «mais velha do que a sua idade cronológica» e que teve «tanto controlo da situação» quanto o arguido.

Professor apanha um mês de cadeia por violar aluna que se suicidou

De acordo com a BBC, as alegações do juiz e a sentença de um mês de prisão para o violador confesso indignaram de tal forma a população que o magistrado, de 71 anos, teve de vir a público pedir desculpa pelo que disse. G. Todd Baugh reconheceu que os comentários que fez são «estúpidos, errados e humilhantes para todas as mulheres».

«Não tenho a certeza exata do que estava a tentar dizer naquele momento, mas não me expressei da forma correta», justificou.

Rejeitando o pedido de desculpas do juiz, centenas de manifestantes concentraram-se, na quinta-feira, frente ao Palácio de Justiça do condado de Yellowstone, em Billings, empunhando cartazes de protesto com as inscrições: «Justiça para Cherice» e «14 são 14».

De acordo com a BBC, multiplicam-se também os telefonemas para o tribunal a pedir a demissão do magistrado e uma petição foi posta a circular com o mesmo objetivo.

Numa declaração escrita, divulgada através do advogado, a mãe da vítima, Auleia Hanlon, revela-se furiosa.

«Ela nem sequer tinha idade suficiente para tirar a carta», afirma. «Mas o juiz Baugh, que nunca conheceu a nossa filha, justificou a sentença dizendo que ela era mais velha do que a sua idade cronológica», acrescenta. «Parece que, de alguma forma, uma violação se torna mais aceitável se culparmos a vítima, mesmo que ela tenha só 14 anos», critica.