O arcebispo da diocese boliviana de Santa Cruz de la Sierra, Sergio Gualberti, manifestou-se na quinta-feira contra a possibilidade de submeter a um aborto uma menina de 11 anos que ficou grávida depois de ter sido violada.

“Não podemos pensar que o problema se soluciona eliminando uma vida inocente”, disse o responsável eclesiástico, que reconheceu, no entanto, que a violação é um “crime muito grave”.

A criança foi violada por um taxista que a levava a casa.

O homem encontra-se detido na prisão de Palmasola, onde aguarda julgamento.