Um documento confidencial, com base em dados compilados pela polícia militar, agrupa mais de uma centena de denúncias formuladas desde 2008 contra membros das Forças Armadas australianas por posse de pornografia infantil e aliciamento de menores, informa esta segunda-feira a imprensa local.

De acordo com o documento, entregue em maio ao então chefe da Defesa australiana, o general David Hurley, nos últimos seis anos foram reportados 104 casos de agressão sexual agravada, que incluem violações, escreve hoje o diário The Australian.

A maioria das ofensas inclui a difusão de pornografia através de telemóveis e da Internet, havendo também casos de aliciamento de menores.