Um mês depois do desaparecimento do voo das linhas aéreas da Malásia, as autoridades intensificaram as buscas. Não só porque surgiram pistas consistentes, após terem sido detetados sinais que podem ser das caixas negras, mas também porque o tempo de vida da bateria das caixas está prestes a terminar.

Para esta terça-feira estão destacados 14 navios e 14 aviões, responsáveis por prosseguirem as buscas a sul do Oceano Índico. O grande objetivo é seguir a pista dos dois sinais detetados nos últimos dias. Na esperança de que as baterias ainda estejam ligadas e consigam chegar mais próximo da sua localização. É como se entrassem numa contagem final para a descoberta da verdade.

As condições meteorológicas estão favoráveis às buscas, mas a vasta área e a profundidade do Oceano continuam a ser obstáculos.

Foi isso mesmo que lembrou esta terça-feira David Johnson, o ministro da Defesa da Austrália, numa conferência de imprensa sobre o tema.