O Irão recebeu um convite para participar na conferência de paz de Genebra, na Suíça, sobre a Síria, que começa na quarta-feira, anunciou o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon.

O responsável adiantou que o convite foi endereçado depois de o chefe da diplomacia iraniana ter apoiado a conferência, lançada por iniciativa da Rússia e dos Estados Unidos da América, para encontrar uma solução política para o conflito sírio, que já fez mais de 130 mil mortos em três anos.

Os Estados Unidos apelaram no domingo ao Irão para apoiar a ideia de um governo de transição ou a rejeitar o convite para participar nas negociações internacionais sobre a crise naquele país.

«Se o Irão não aceitar o comunicado de Genebra, o convite deverá ser rescindido», disse a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Jen Psaki, citada em nota oficial.

Washington apela a Teerão para apoiar o processo de transição na Síria.

A coligação da oposição síria ameaçou, entretanto, boicotar as negociações de paz com as forças governamentais se o Irão participar nas mesmas.

«A Coligação Síria anuncia que não irá participar na G2 [negociações de paz Genebra II] a não ser que Ban Ki-moon [secretário-geral da ONU] retire o convite ao Irão» para participar no processo de transição política na Síria, realçou um porta-voz da oposição, Louay Safi, na sua conta de Twitter.