No último dia do ano o Papa ligou para um convento de religiosas de clausura em Espanha para os desejos de bom ano, mas ninguém atendeu.

Eram 11:45 de 31 de dezembro, contudo nenhuma das irmãs do convento de carmelitas na Andaluzia, Lucena, a sul de Córdova estava disponível para atender.

Francisco deixou uma mensagem no atendedor de mensagens a perguntar o que estariam a fazer que não podiam atender o telefone. E prometeu voltar a ligar.

Às 19:15 repetiu a chamada e desta vez com sucesso. Do outro lado da linha, uma comunidade com apenas cinco religiosas, três delas argentinas.

Quando se mudaram para Espanha, era frequente o então arcebispo de Buenos Aires telefonar a pedir orações.

Na primeira tentativa de falar para o convento, as irmãs estavam ocupadas a rezar e ficaram cheias de pena quando ouviram a mensagem no gravador. Mas a espera compensou e, agora, apesar de fechadas entre quatro paredes, divulgaram para todo o mundo a mensagem de um Papa que tem o hábito de pegar no telefone e falar directamente com as pessoas