A polícia espanhola deteve 14 pessoas, três das quais menores, pelos incidentes que ocorreram depois de uma manifestação na noite de quarta-feira no centro de Madrid, de apoio a protestos que decorrem há vários dias na cidade de Burgos.

Fontes policiais referiram que durante os incidentes ficaram feridas 11 pessoas, entre as quais cinco agentes.

A manifestação começou pacificamente na Puerta del Sol e acabou próximo da sede do PP na Calle Génova, zona onde ocorreram os incidentes que envolveram um grupo de radicais antifascistas, segundo a polícia.

Durante os incidentes foi destruído mobiliário urbano e incendiados alguns carros.

Entre os detidos está um bombeiro que se encontrava no local e que foi acusado de uma agressão a um agente policial.

Várias manifestações decorreram na quarta-feira à noite em cidades de Espanha para expressar apoio aos habitantes de Burgos, no norte, que há vários dias criticam um projeto de ordenamento urbano considerando que é inútil e caro.

Esta intensificação do descontentamento começou na sexta-feira com uma concentração que degenerou em violência e confrontos entre manifestantes e forças da ordem em Burgos, cidade considerada tranquila, ou também foi destruído mobiliário urbano.

Na quarta-feira, pelo sexto dia consecutivo, milhares de pessoas manifestaram-se para exigir a retirada definitiva de um projeto de ordenamento de uma via principal no quarteirão de Gamonal, em Burgos, e a libertação de três jovens.

Desta vez, a manifestação decorreu de forma pacífica, ao contrário dos dias anteriores, onde se registaram incidentes e cerca de 40 pessoas foram interpeladas pela polícia.

O autarca de Burgos, Javier Lacalle, já anunciou a suspensão dos trabalhos.