«No seguimento da decisão tomada hoje [quinta-feira] pela direção nacional do Partido Democrático, informei o Presidente da República, Giorgio Napolitano, da minha vontade de apresentar-lhe amanhã a demissão da presidência do Conselho de Ministros», afirmou Enrico Letta, citado pela agência italiana de notícias Ansa.

A direção do PD aprovara, momentos antes, a moção que apontava para uma «nova fase, com um novo Executivo», sendo que a proposta contou com 136 votos a favor, 16 contra e duas abstenções.

O que levou o ainda primeiro-ministro italiano a avançar para o pedido de demissão foi o braço-de-ferro dentro do seu próprio partido político: Matteo Renzi, presidente da Câmara de Florença, de apenas 39 anos, multiplicou os ataques a Letta quando assumiu a liderança do PD, em Dezembro último.

Enrico Letta liderava o Governo de coligação desde Abril do ano passado, tendo sucedido no cargo a Mario Monti. O Executivo foi formado após o acordo entre o PD (centro-esquerda) e o minoritário centro-direita.

As portas estarão agora abertas para que Matteo Renzi possa assumir o cargo de primeiro-ministro, mas o Presidente Giorgio Napolitano terá ainda uma palavra a dizer.